sexta-feira, 24 de julho de 2009

Prevenção ou paranóia?

Hoje depois de almoçar resolvi, sair para comprar ração e brinquedo para meu casal de calopsita (Romeu e Julieta, depois coloco uma foto deles aqui). Como no horário de almoço a cidade fica mais lenta eu fui observando e apreciando as vias, placas, pessoas, ambiente, paisagem, outdoors, buracos, pichação, ambulantes... quando me dei conta eu estava parada sob um viaduto. Como assim? Quero sair daqui agora!

Devinitivamente eu não gosto dessas situações, fico com uma sensação estranha de que eu não devia estar ali(pânico total)... Viaaaaaajo em cenas mirabolantes em minha cabeça... Sempre que posso dou um espaço até o carro da frente.

O fato é que eu ligo o sensor alerta sempre ao passar e parar sob túnel, viaduto e passarela.

E vocês são assim também? ou estou exagerando?

9 comentários:

Mosana disse...

Como diz o ditado, é sempre melhor prevenir do q remediar!!!!
saudades daqui!
kisses

Isadhora disse...

como assim parada sob um viaduto??
pq o desespero??
desculpe mas nao consegui visualizar a situaçao!
dá um desconto pro meu cerebro, vai... kkkkkkkkkkkk

Larinha disse...

Aiii, detesto ficar parada dentro de túnel. Se eu estiver em cima do viaduto, não esquento não, mas se eu estiver embaixo fico tensa.

Nunca vou esquecer de um acidente que teve ali no Aquidabã. Um conteiner (?) caiu do caminhão que tava em cima do viaduto em um carro (um corsa) que tava embaixo. A motorista não morreu pq o banco quebrou e deitou com o primeiro impacto e ela ficou deitada. Mas se não tivesse sido (Deus) isso ela tinha virado pizza!
Affe!

Bjos!

Aninha Leme disse...

Minha nossa, espere aí!!!!!!!
tinha alguma coisa nessa raçãooooo!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
se bem que foi na ida, né?
bom, aqui em SP tenho medo de tudo, até da minha sombra! é sempre bom estar preparada para a fuga, né?

beijossssssssss

meus instantes e momentos disse...

infelizmente tem que ser assim.

Maurizio

Desabafando disse...

eu tb sou assim...é só o trânsito parar pra eu ficar esperta! Ainda mais que ando muito sozinha, a noite, e em sp é meio perigoso! rsrsrsrs....acho que sou paranóica quanto a isso tb!

Tiago disse...

Quem é assim é minha mãe...chega suspirar quando passa por um túnel, coitada!!

Pra mim; nem fede nem cheira...rs

Será que você não tem claustrofobia?

Beijinhos e bom domingo!!

Luciana Guimarães disse...

Cena 1: Depois de ficar com a cara pra cima olhando o mundo, Alê se dá conta que parou num congestionamento em baixo de um viaduto xexelento, daqueles que vira cachoeira em dias de chuva.

Cena 2: Alê ouve um barulho estranho e vê umas pedrinhas caindo em cima do seu carro. Presumindo que se trata de um terremoto nipônico, pela primeira vez na cidade, e que o viaduto vai ceder em sua cabeça ela entra em desespero.

Cena 3: Desesperada, Alê abre a porta do carro e sái correndo pela cidade.

Cena 4: O viaduto continua lá, escorrendo água e ela já está na Federação sem fôlego de tanto correr e olhar pra trás.

Cena 5: Alê liga para irmã desesperada pedindo uma carona para ir dar queixa do rubo do carro pois não teve terremoto nenhum, foi apenas umas pedrinhas no metrô inacabável batendo no teto do seu carro.

NÃO ME LIGUE NÃO, VIU, VELHO????

railer disse...

hoje em dia, infelizmente, com a situação de violência e caos, a gente anda muito assustado com tudo.

gostei do teu blog!
parabéns